duv-idoso-faixa.jpg
duv-idoso-logo.png

PATROCÍNIO

nestle-health-science_footer.png

Fatores de risco para solidão em idosos



O artigo internacional, intitulado “A systematic review of longitudinal risk factors for loneliness in older adults” e traduzido como “Uma revisão sistemática dos fatores de risco longitudinais para solidão em adultos idosos” foi publicado este ano na revista Aging & Mental Health.


O estudo teve como objetivo identificar os fatores de risco mais importantes para a solidão em idosos. Os autores avaliaram 34 estudos de acordo com os critérios de inclusão definidos para a revisão sistemática. Nos artigos selecionados foram identificados 120 diferentes fatores de risco para a solidão.


A solidão foi definida pelos pesquisadores como a diferença entre o número de relacionamentos, frequência de contato ou a intimidade ou qualidade dos relacionamentos que queremos e os que realmente conquistamos. Também apresentou duas dimensões de solidão: emocional e social. A solidão emocional se refere à ausência de um apego ou relação mais próxima, enquanto a solidão social se refere à ausência de uma rede de suporte social.


É importante, também entender, que todo mundo experimenta a solidão de vez em quando. Mas ela é preocupante quando começa a se transformar em um sentimento constante. Ao longo da vida, é comum que o círculo de amigos diminua ou seja substituído e é fundamental que você faça a manutenção ativa desse grupo de relacionamentos. Vale cultivar de forma positiva as suas relações sociais mesmo que seu círculo de amigos, colegas e familiares seja pequeno para ter um bem-estar no futuro.


O sentimento de isolamento surge a partir de mudanças esperadas ou não e podem ser impactantes. Por exemplo, a aposentadoria, e/ou morte de um ente querido. Os motivos podem variar também de acordo com as condições sociais, como baixa renda, gênero, raça e falta de acesso a transporte e saúde, por exemplo.


O estudo apontou que os principais fatores de risco para conviver com a solidão na fase da velhice estão associados com:

• falta ou perda de companheiro(a)

• baixa participação em atividades sociais

• rede de suporte social limitada

• sintomas depressivos

• pior auto avaliação de saúde.


Os autores concluem que os fatores modificáveis identificados, como por exemplo a forma como lidamos com o luto pela perda do(a) companheiro(a) e a identificação de sintomas depressivos devem ser alvo de intervenções, uma vez que a solidão pode acarretar a piora da saúde e da qualidade de vida da população idosa.


A participação social deve ser sempre estimulada, em especial quando a pessoa idosa apresenta uma rede de suporte limitada.


Como exemplos, envolvimento em atividades religiosas e voluntárias, prática de atividade física em grupo, entre outras. Mesmo que a distância, podem ajudar na criação e no fortalecimento de vínculos e combater a solidão na velhice.


Fonte:

https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13607863.2021.1876638


APOIO

logo-abg-branco.png
logo-sbgg.png
logo-ashoka-branco.png
logo-acirmesp-branco.png